Veneza: O que fazer em 01 dia

Enquanto procuramos o que fazer em Veneza, descobrimos que a cidade é um arquipélago, com 117 ilhas, localizado numa lagoa do Mar Adriático.

No entanto, o centro histórico, uma área no centro da lagoa, possui becos e ruas de traçado irregular que só se pode transpor a pé.

Assim, barcos são os únicos meios de transporte na cidade famosa pela rica arquitetura e obras de arte.

Afinal, a República de Veneza era uma potência marítima. Assim, o controle do comércio com o Oriente fez dela não apenas era um importante centro comercial, como também artístico-cultural.

Afinal, a cidade foi rica ao longo de quase toda a sua história.

Decerto é a manutenção do patrimônio artístico-cultural que torna Veneza uma cidade para ser desfrutada sem pressa; enquanto anda-se a esmo pelos becos e canais.

Mas as ilhas próximas também são ricas em patrimônio cultural. Afinal, em Murano, oficinas produzem peças em cristal (e vidro) de forma artesanal .Enquanto que em Burano é mantida uma tradição que nasceu no século XVI: a renda.

Tradições que vêm sendo mantidas ao longo dos séculos. Técnicas e informações passadas de geração em geração.

O que fazer em Veneza – Principais atrações:

  • Piazza San Marco (Praça de são Marcos): Alcançou a forma e tamanho atuais no século XII. Mas mantém-se inalterada desde o século XVIII. Nas imediações estão:
    • Basilica di San Marco (Basílica de são Marcos): Datada do século XI, foi inspirada na Basílica de Santa Sofia localizada em Constantinopla (atual Istambul).
    • Torre dell’Orologio (Torre do Relógio): A Torre renascentista tem um Relógio que além de marcar 24 horas, também exibe os 12 signos do zodíaco.
    • Palazzo Ducale (Palácio Ducal): É o Palácio do Doge. Construído entre 1309 e 1424, em estilo gótico veneziano.
    • Biblioteca Marciana: Possui manuscritos e raridades impressas.
    • Prigioni Nuove (Novas Prisões): Primeiro edifício no mundo construído para ser uma prisão.
    • Ponte dei Sospiri (Ponte dos Suspiros): Do século XVII, tem estilo barroco e liga o Palazzo Ducale às Prigioni Nuove.
  • Canal Grande (Grande Canal): O Canałasso, além de atravessar a cidade, é o mais largo de Veneza. Assim, torna-se sua maior via aquática. Ao longo de suas margens estão:
    • Palazzo Rezzonico (Palácio Rezzonico): O Ca’ Rezzonico abriga o Museo del Settecento Veneziano.
    • Palazzi Barbaro (Palácios Barbaro): O primeiro palácio, em estilo gótico, data do século XV. Enquanto o outro, em estilo barroco, é do século XVII.
    • Palazzo Grassi (Palácio Grassi): Construção classicista em mármore branco, do século XVIII.
    • Ponte di Rialto: Erguida no século XII. Primeira construção a cruzar o Canal Grande. A estrutura atual é do século XVI.
    • Palazzo di Venezia (Palácio de Veneza): Chamado Ca’ d’Oro, é do século XV e abriga a Galleria Franchetti.
    • Mercato di Rialto (Mercado de Rialto): Considerado o mais antigo mercado de Veneza já que, desde a Idade Média, mercadores usavam o local para negociar mercadorias trazidas do Oriente.

O que fazer em Veneza: Uma experiência de 01 dia

Seu dia será intenso, por isso, comece cedo.

Manhã: Praça São Marco e Rialto

Piazza San Marco em Veneza
Piazza San Marco

Veneza provavelmente irá te encantar desde que você descer do vaporetto, na parada S. Marco Vallaresso.

Pois você passará pelos Jardins Reais. Enquanto caminhar tranquilamente observando o trânsito das embarcações no Canal Grande, você será impactado pela visão da Biblioteca Marciana. Aliás, em frente, está o monumental Palazzo Ducale com a bela Porta della Carta.

Ali ao lado, a Basilica San Marco e, quase em frente a ela, a Torre dell’Orologio.

A Piazza San Marco é enorme e os prédios das Procuradorias (construídos de forma avançada sobre pilotis) escondem um pouco as passagens para as ruelas ao longo dos canais.

Assim, não se acanhe e peça informação para encontrar a passagem para a Ponte dei Dai. Posto que você irá atravessá-la para caminhar pela Calle dei Fabbri até Rialto.

Chegando ao Canal Grande, passe pelo Palazzo Bembo e pelo Palazzo Dolfin Manin. Em seguida, vá em direção à Ponte di Rialto. Aproveite para descansar vendo movimento das pessoas e as construções do outro lado do Canal, como o Palazzo dei Camerlenghi.

Atravesse a Ponte di Rialto, passe pelo Campo San Giacomo di Rialto com a Igreja di San Giacomo e siga caminhando pelos becos até chegar ao Mercato di Rialto.

Ali, na beira do canal, admire mais algumas construções, entre elas, o Ca’ d’Oro, o Palazzo Michiel e o Ca’ da Mosto.

Murano, Burano e Caminhada por Veneza

Caso seja verão, e você já tenha explorado os pontos de maior interesse pela manhã, aventure-se a ir a Murano e Burano.

Assim, vá à estação Fondamenta Nuove pegar o vaporetto “Veneza-Murano”.

São, aproximadamente, 20 minutos de navegação até Murano. A ilha onde artesãos produzem peças de vidro e cristais manualmente.

As peças belíssimas. Mas embora o programa seja interessante, não é tão diferente das exposições apresentadas pelas fábricas de cristal na região sul do Brasil.

Praça e casas coloridas em Burano
Burano

Em Murano pegue um vaporetto para Burano. São aproximadamente 30 minutos, navegando. A ilha não só possui casas coloridas, como também é ligada a uma antiga tradição: a arte do rendilhado. Uma atividade que nasceu no século XVI.

Só para ilustrar, você verá trabalhos com renda renascença. Surpreendentemente, é o mesmo tipo de trabalho produzido em alguns estados do Nordeste brasileiro.

Na volta a Veneza, se estiver com espírito aventureiro, desembarque na estação Fondamenta Nuove e caminhe até a Piazza San Marco.

Dessa maneira, você passará pela Chiesa de Santa Maria Assunta detta I Gesuiti (Igreja de N.S. da Assunção, dita dos Jesuitas) com fachada barroca veneziana do início do século XVIII.

Posteriormente, verá o Campo Santi Apostoli com a Chiesa dei Santi Apostoli di Cristo (Igreja dos Santos Apóstolos de Cristo) que, datada do século VII, é uma das mais antigas da cidade.

O labirinto de ruas e passagens te levará a Chiesa di Santa Maria dei Miracoli (Igreja de Santa Maria dos Milagres). Construída no século XV em estilo renascentista.

Busque pela Fondamenta Van Axel. Posto que é um caminho que passa pelo Palazzo Pisani S. Marina e sua fachada decorada com estandartes com o Leão de Veneza.

Assim, cruzando pontes e ziguezagueando pelos becos de Veneza você chegará à Torre dell’ Orologio, na Piazza San Marco.

Como chegar em Veneza

  • Avião: Aeroporto Internacional de Veneza – Marco Polo é o aeroporto mais próximo. Situado no continente é interligado ao centro histórico tanto através de barcos quanto através de ônibus.
  • Trem: A cidade possui duas Estações de Trem e está na rota de várias cidades italianas. Nós viajamos trem e adquirimos nossos bilhetes no site da TRENITALIA.
    • Venezia Mestre: Localizada no continente, fica distante do Centro Histórico.
    • Venezia Santa Lucia: Localizada na parte insular da cidade é a mais próxima do Centro Histórico.

Chegamos em Veneza de trem na Estação Santa Lucia vindos de Florença. Ali mesmo adquirimos o Bilhete Turístico. Posto que teríamos que pegar um vaporetto (espécie de barco-ônibus) para ir até a Praça São Marco.

Transfer:

Do Centro Histórico ao Aeroporto Internacional de Veneza – Marco Polo:

  • Ônibus: Da Piazzale Roma partem ônibus que levam ao Aeroporto. Informações no site da ACTV
  • Barco: A partir da Estação Madonna dell’Orto partem os barcos da Alilaguna. Mas também existe o serviço de Barcos-táxis.

Transitando

  • Pelo Centro Histórico: o vaporetto (espécie de barco-ônibus) é a opção mais barata. Também existem barcos-taxi em Veneza.
  • Venezia Unica City Pass: O passe turístico que agrega transporte (com possibilidade de incluir o transfer para o aeroporto) e entrada de atrações turísticas. Informações no site da Venezia Unica
  • Do Centro Histórico a Mestre: Da Piazzale Roma (Próxima à Estação de Trem Venezia Santa Lucia) partem ônibus (Actv e Atvo) que levam a Mestre e seu centro, no continente.

Onde se hospedar em Veneza:

Nós ficamos no Albergo San Marco que fica na Piazza San Marco.

Booking.com

Informações e curiosidades sobre Veneza:

  • Ponte ferroviária: Liga o centro histórico à área continental e foi construída em 1846.
  • Patera: Elemento em baixo-relevo ornamental, de forma circular, que é típico da arquitetura veneziana.
  • Sem carros: Dentre as cidades europeias, Veneza possui a maior área urbana totalmente sem trânsito de carros ou caminhões.
  • Carnaval de Veneza: Surgiu por volta dos anos 1090. Durante a festa, a nobreza se disfarçava para misturar-se com o povo.
  • Murano: No século XIII, todos os cristaleiros de Veneza foram obrigados a mudar-se para Murano. No entanto, durante o século XIV, a ilha ganhou fama chegando a ser o maior produtor de cristal da Europa.
  • Burano: A ilha ficou famosa no século XVI, devido as peças de renda produzidas pelas mulheres. Uma situação que permaneceu até o século XVIII, quando começou o declínio da indústria da renda.
  • Doge: Primeiro magistrado da República de Veneza

Reservas Parceiras:

Se você gosta de nosso conteúdo, marque-nos como um de seus favoritos e divulgue nossos textos nas redes sociais. Mas, sobretudo, faça suas reservas através de nosso site. Assim, você nos incentiva a continuar produzindo conteúdos de qualidade.