ÁsiaDestinos

O que fazer em Tóquio: roteiro de 04 dias

Na hora de planejar o que fazer em Tóquio, tenha em mente você vai viajar para um dos maiores centros financeiros do mundo.

Mas nesta cidade moderna e tecnológica cujos inúmeros e grandiosos letreiros luminosos a transformam em uma cidade das luzes, nada impressiona mais os viajantes quanto o ordenado ir e vir das milhares de pessoas atravessando as ruas.

Do mesmo modo o viajante observará que, nesta cidade superpopulosa, apesar da agitação e da correria, a maioria das pessoas tem responsabilidade social posto que, embora não se vejam latas de lixo, tudo é surpreendentemente limpo.

Tóquio é vibrante e, como toda metrópole, possui áreas com personalidade bem definida que merecem ser esquadrinhadas. Shinjuku, com o boêmio Kabuki-cho, é o distrito que não dorme; Akihabara é o distrito dos eletrônicos, em Harajuku encontra-se moda experimental enquanto que Ueno e Asakusa buscam manter o passado presente.

No entanto, no início da primavera, com o surgimento das delicadas sakuras brancas e rosas, a vibração da cidade se acalma. É um período em que os parques e templos ficam lotados por causa das pessoas contemplando as cerejeiras e flor.

Por isso, quando for a Tóquio, enlouqueça com a tecnologia e os letreiros luminosos mas não esqueça de observar as pequenas sutilezas tão presentes no dia a dia.

Um passeio por Tóquio através de nossas fotos:

O que fazer em Tóquio:

  • Ueno:
    • Parque Ueno;
    • Estátua de Takamori Saigo;
    • Templo Kiyomizu Kannon-do;
    • Santuário de Toshogu;
    • Museu Nacional da Arte Ocidental;
    • Museu Nacional de Tóquio;
    • Templo Benzaiten;
    • Ameya Yokocho
  • Asakusa:
    • Nakamise Dori;
    • Demboin Dori;
    • Templo Senso-ji;
    • Porta de Nitemmon;
    • Santuário de Asakusa Jinja
  • Akihabara: o distrito com 600 lojas de eletrônicos, Mangá e Anime.
  • Harajuku:
    • Santuário de Meiji Jingu;
    • Takeshita Dori;
    • Santuário de Togo;
    • Museu de Arte Memorial de Ukiyo-e Ota
  • Aoyama:
    • Bazar Oriental;
    • Edifício Hanae Mori;
    • Monte de Omotesando
  • Shinjuku:
    • Torre de observação da Tokyo Met. Gov. Office;
    • Jardim Nacional Shinjuku Gyoen;
    • Kabuki-cho

Sugestões de Passeios de 1 dia:

  • Kamakura (a primeira capital feudal do Japão);
  • Monte Fuji (o vulcão que é um ícone japonês)
  • Monte Takao (a Montanha Sagrada)

O que fazer em Tóquio: Uma experiência de 4 dias

Dia 01: Parque Ueno, Ameya Yokocho, Asakusa e Jardim Hamarikyu

Nosso roteiro por Tóquio começa por áreas mais tradicionais que propiciam uma volta ao passado.

Comece indo para a Estação de Ueno para visitar o Parque Ueno pois se sua viagem coincidir com a floração das sakuras, estará especialmente bonito favorecendo, deste modo, que você entre no clima contemplativo.

Ali perto você terá a oportunidade de visitar 2 museus: O Museu Nacional de Tóquio e o Museu Nacional de Ciência do Japão.

Saindo do parque, atravesse a rua para conhecer o Ameyoko, o comércio popular da Ameya Yokocho, uma vez que era o local onde funcionava um mercado negro na Tóquio do pós-guerra.

Em seguida, retome o clima de volta ao passado e peque seu transporte até a Estação Asakusa;  pois em Asakusa você verá pessoas vestidas nas tradicionais Yukatas passeando por ruas e templos. Uma sensação de estar em inícios do século 20.

Quando cansar de explorar Asakusa, retorne a Estação Asakusa pois bem ao lado da Ponte Azumabashi encontra-se um ponto do ônibus aquático que, navegando pelo Rio Sumida, vai te levar até o Jardim Hamarikyu.

Esse antigo jardim imperial e do xogunato é um oásis menos conhecido, embora tenham sido abertos ao público em 1946.

Detalhe: Não é possível embarcar no Jardim Hamarikyu para ir a Asakusa pois o pelo trajeto do ônibus aquático a parada seguinte será Odaiba. Por isso, se quiser ir de barco do Jardim Hamarikyu para Asakusa, terá que pegar um barco até o píer de Hinode para, em seguida, pegar um outro barco para Asakusa.

Dia 02: Torre de Tóquio e Shinjuku

Dia de transitar em meio a multidão pois, embora Shinjuku abrigue alguns museus, a região é mais conhecida por ter a estação de trem mais movimentada do mundo.

Porém, inicie seu dia, pela estação Shinjuku-gyoemmae para conhecer o Jardim Shinjuku-Gyoen, um dos maiores parques da cidade cuja característica é abrigar jardins com 3 estilos paisagísticos: inglês, francês e japonês.

Em seguida, pegue o metro para a estação Nishi-Shinjuku e caminhe até a Torre da Prefeitura de Tóquio (Tokyo Met. Gov. Office Observation Tower) para ver a cidade do alto. Por certo esse programa gratuito permitirá a observação do cenário urbano da cidade até o Monte Fuji; se acaso uma névoa baixa não atrapalhar os planos.

Saindo da Torre da Prefeitura encaminhe-se para a estação Shinjuku.

Você vai observar um movimento crescente de pessoas conforme a estação se aproxima. Uma vez na estação, os corredores formam um complexo shopping com lojas e restaurantes. Dirija-se para a Saída Oeste pois é ali que encontra-se uma área de venda de eletrônicos chamada Nishiguchi (também chamada Electric Town) que é menos famosa que Akihabara embora seja uma área bem popular entre os locais.

Fechando nosso roteiro, Kabukicho, uma área de entretenimento (e da luz vermelha) cheia de lojas, cinemas, bares, restaurantes, casas noturnas, hostess clubs, love hotels (numa tradução livre, hotéis para amor)… Ou seja, diversão para todo gosto 24 horas por dia.

Em meio a tanto entretenimento uma atração bem cultural, o Samurai Museum que, com acervo é formado por armaduras e espadas antigas, também permite que os visitantes sejam fotografados num traje de samurai.

Kabukicho é tão surreal que, distraída observando as construções enquanto esperava para atravessar a rua, me deparei com um Godzilla no alto de um prédio.

Dia 03: Harajuku e Akihabara

Após 2 dias de imersão no passado e no presente, é hora de começar a diversificar conhecendo criações nas áreas de moda e de eletrônicos.

Comece seu dia pegando o transporte até a estação Harajuku. Pois é na descolada Harajuku que você vai encontrar moda experimental e estética anime; principalmente na Takeshita Dori, uma rua de pedestres com lojas voltadas para o público adolescente.

No entanto, se você busca marcas já estabelecidas e um estilo mais elegante e sofisticado, Aoyama é a área indicada!

Sua próxima parada será a estação Akihabara para conhecer o maior distrito eletrônico do país.

Akihabara impressiona com a quantidade de lojas ofertando os mais diversos produtos na área de eletrônica, mangá e anime (histórias em quadrinhos e animação japoneses).

Dia 04: Monte Fuji

Tire o dia para ir até a província de Yamanashi visitar um ícone japonês: o “Fuji-san” ou Monte Fuji!

Dos 5 lagos situados perto do Monte Fuji, o lago Kawaguchi é o de mais fácil acesso. Basta ir ao Terminal Rodoviário em Shinjuku e adquirir uma passagem para Kawaguchi-ko. Compre também o bilhete de volta pois os ônibus costumam lotar.

Uma vez que os ônibus saem rigorosamente no horário, é indicado chegar no terminal com 20 minutos de antecedência.

Passar um dia longe da agitação de Tóquio, a beira de um lago com a vista do Monte Fuji pode ser restaurador. Além disso, existem várias atrações para quem quiser preencher o dia.

Quando fizemos nosso passeio, embora a 5a estação não estivesse em funcionamento, os deuses estavam a nosso favor pois o céu estava absolutamente azul e o Monte Fuji mostrava-se em todo seu esplendor.

Análise da nossa experiência em Tóquio:

Quando saímos de Hong Kong, eu e D. seguimos para Tóquio.

Visitar Tóquio foi a realização de um sonho antigo. Como nossa estada coincidiu com a época do Festival das Cerejeiras em Flor, tudo ficou muito mais especial uma vez que um encantamento poético parecia tomar conta da cidade com a contemplação das delicadas e fugazes flores rivalizando com as constantes e vibrantes luzes dos letreiros luminosos.

Nos 4 dias de nossa estada, pudemos observar algumas facetas desta metrópole e as sutilezas de seus moradores que sempre mostraram-se tão educados, pacientes e gentis conosco.

Em Tóquio nossa viagem pelo extremo oriente chegava ao fim mas para reduzir os efeitos das 12 horas de fuso horário, fizemos uma parada estratégica em Dubai.

Como chegar:

  • Avião: Aeroporto Internacional de Narita faz a ligação da cidade com outros países e regiões do Japão enquanto o Aeroporto de Haneda atende, principalmente, a voos domésticos.
  • JR NARITA EXPRESS (N’EX): Trem expresso para as principais estações de Tóquio como Shinjuku, Shibuya, Ikebukuro e Shinagawa. Todos os assentos são marcados no momento da compra do ticket no guichê da N’EX. O trem sai a cada 30 minutos e o tempo de viagem até Shinjuku é de aproximadamente 60 minutos. Informações em Japan Rail Pass

Para ir do Aeroporto de Narita ao hotel Nishitetsu Inn Shinjuku, em Shinjuku, optamos por utilizar o serviço de trem expresso da JR Narita Express. Por isso, após o desembarque, seguimos as placas indicativas até o guichê da N’EX e compramos os bilhetes.

Tudo fluiu bem. No entanto, quando desembarcamos na estação Shinjuku, ficamos um pouco perdidos com o grande o fluxo de pessoas entrando e saindo.

Explico: A estação Shinjuku é a maior estação de Tóquio e a mais movimentada do mundo. Na época de nossa viagem, ela possuía 36 plataformas (entre trem intermunicipal, trem urbano e linhas de metrô), mais de 200 saídas e atendia a 3,4 milhões de pessoas diariamente.

Como era noite e caía uma chuva fina, localizamos uma indicação para o ponto de táxi, mostramos um cartão com o endereço em japonês para o motorista e seguimos para o hotel.

Transporte Público:

A tarifa do transporte público varia da distância percorrida e do transporte utilizado. Para facilitar a vida, existem algumas opções de cartões:

  • Tokyo Subway Ticket: Tem duração de 24 horas; 48 horas e 72 horas é vendido apenas para turistas em lojas dos aeroportos de Narita e Haneda e pelas lojas Bic Camera Electronic. Porém sua utilização é apenas nas linhas de metrô; não valendo para os trens da JR.
  • Cartões pré-pagos recarregáveis: O sistema do cartão calcula o valor a ser debitado pela modalidade de transporte e distância percorrida. Tanto o Suica Card quanto o Pasmo Card funcionam nas três empresas de trem e metrô que operam na cidade. Mais informações em SUICA e em PASMO

Para facilitar nossa mobilidade, utilizamos o cartão de transporte Suica Card. Assim, bastava passar o cartão na entrada e na saída das estações para que fosse debitado o valor do trajeto relativo ao transporte que utilizamos.

O processo de recarga nas máquinas de autoatendimento foi simples de ser realizado.

No ato da compra fizemos o depósito de uma caução que foi devolvida quando devolvemos o cartão no escritório da JR. e acrescentamos o valor da recarga.

Onde se Hospedar:

Nos hospedamos em Shinjuku por ser uma área movimentada dia e noite. Afinal, Shinjuku também é uma área boêmia. Adoramos!

Em virtude do hotel Nishitetsu Inn Shinjuku ter acesso a um Izakaya (estabelecimento que serve bebidas alcoólicas e refeições casuais) tivemos uma experiência interessante: a escolha de menus happy hour baseados no tempo de permanência no estabelecimento e no número de petiscos servidos. A bebida era ilimitada!

Gostamos de nos hospedar próximo a transporte público. Desta vez não foi diferente pois o hotel estava a 10 minutos de caminhada da estação Shinjuku e a 2 minutos da estação de metro Nishi-Shinjuku.

O hotel Nishitetsu Inn Shinjuku superou nossas expectativas.



Booking.com

Informações e Curiosidades:

  • História de Tóquio: Foi fundada em 1457, com o nome de Edo ou Yedo. Tornou-se a capital do Império em 1868 com a atual designação. Sofreu grande destruição duas vezes; uma em 1923, quando foi atingida por um terremoto; e na 2a Guerra Mundial, quando foi atingida por bombardeios americanos.
  • Monte Fuji: localizado no Parque Nacional Fuji-Hakone-Izu é rodeado por cinco lagos.

Reservas Parceiras:

Se você gosta de nosso conteúdo, marque-nos como um de seus favoritos, divulgue nossos textos em suas redes sociais e faça suas reservas através de nosso site. Assim, você nos incentiva a continuar produzindo conteúdos de qualidade.